03 ago 2017

Reciclagem e Desmineralização de água na indústria de autopeças

Um caso emblemático de sucesso em reciclagem de água na indústria ocorreu na fábrica de Limeira da empresa Maxion Wheels, parte do grupo Iochpe-Maxion. Inicialmente foi construída uma estação físico-química para tratamento dos efluentes industriais de processos de desengraxe

SOBRE

A EP Engenharia do Processo é uma empresa com mais de 40 anos de tradição no mercado nacional em fornecimento de serviços e equipamentos para ETA´s e ETE´s, além de análises laboratoriais, ou seja, fornece solução 360º. Hoje é possível dizer que muito poucas empresas possuem o know-how e o número de casos de sucesso em projetos de reciclagem de água que a EP desenvolveu nos últimos anos.

CONTEXTO

Quando um empreendimento se utiliza de uma ETE, sendo ela físico-química, biológica ou a combinação de ambas e, devidamente operada, o resultado é uma água tratada que em muitos casos pode ser visualmente cristalina. Esse aspecto de “água potável” induz naturalmente ao emprego desta em processos dentro da fábrica que podem ser cruciais para o bom desempenho da companhia, como por exemplo, uso em caldeiras de alta pressão, make-up de torres de resfriamento e sistemas de ar condicionado, linhas de pintura e lavagem de peças, etc. Porém o usuário pode se enganar e ter surpresas bastante desagradáveis, uma vez que apesar da boa aparência, esta água pode estar com altas concentrações de sais dissolvidos, nutrientes e sólidos suspensos, os quais são responsáveis por grandes problemas como incrustações, corrosões e proliferação de microorganismos. Para que estes problemas sejam evitados, ou ao menos controlados, é necessário que estes contaminantes sejam removidos.

Após muitos estudos literários, simulações, testes em escala piloto e implantações de ERA´s (Estações de Reciclagem de Água), a EP Engenharia chegou a uma solução tecnológica que se baseia na combinação de diferentes níveis de filtração e o posterior emprego da Osmose Reversa (OR). Essas etapas podem sofrer variações e tecnologias mais refinadas podem ser adicionadas na rota de tratamento, dependendo das características do efluente gerado pela fábrica.

A utilização do processo de OR é fundamental para a rejeição dos contaminantes dissolvidos na água. Quem desempenha esta função são as membranas osmóticas cuja rejeição é de no mínimo 95%. Para que as membranas tenham o melhor desempenho e vida útil é fundamental que todas as etapas de tratamento anteriores (tratamento primário e pré-tratamento) estejam perfeitamente dimensionadas e operadas, ou seja, o pré-tratamento adequado é o que determina o sucesso ou fracasso da Estação de Reciclagem de Água.

Um caso emblemático de sucesso em reciclagem de água na indústria ocorreu na fábrica de Limeira da empresa Maxion Wheels, parte do grupo Iochpe-Maxion. Inicialmente foi construída uma estação físico-química para tratamento dos efluentes industriais de processos de desengraxe, pintura, lavagem de peças, entre outros. Para atender as legislações da época, em 2004 foi implementado um sistema de tratamento biológico por lodos ativados, o qual passou a receber também os efluentes sanitários da fábrica, apresentando uma eficiência total em remoção de DBO de 98%.

Visando a redução do consumo de água advinda de poços artesianos, criou-se um time multifuncional que em conjunto com a equipe técnica da EP Engenharia, desenvolveu um modelo conceitual com o objetivo de reutilizar o efluente tratado da estação de tratamento de efluentes no processo produtivo.

Diante deste cenário, dos recursos disponíveis e das particularidades do processo identificou-se que seria necessário o emprego de um tratamento terciário na estação de tratamento de efluentes, tendo em vista a exigência do processo produtivo, em especial na operação de pintura de rodas, na qual a concentração de matéria orgânica e STD devem ser extremamente baixas.

Após meses de operação de uma unidade em escala piloto, ficou claro que uma estação de reciclagem de água deveria ser implantada. A rota de tratamento contou com tecnologias para remoção de sólidos grosseiros por filtros multimídia, remoção de traços de matéria orgânica e cloro livre por leitos de carvão ativado, remoção de material coloidal fino por microfiltração e finalmente a remoção dos sólidos dissolvidos por Osmose Reversa.

OBJETIVOS

  • Redução da captação de água subterrânea e consequente consumo sustentável preservando o Aqüífero Itararé;
  • Ser referência para outras indústrias da região, no intuito de adotarem medidas sustentáveis e contribuírem no cenário socioambiental local;
  • Redução do descarte de efluente tratado na rede pública e redução de custos;

RESULTADOS

 

Volumes médios mensais             Sem Reuso           Com Reuso         Variação

Captação de Água Subterrânea            11.9000 m³/mês     4.901 m³/mês          -58,8%

Descarte na rede pública – Rejeito       8.839 m³/mês         3.516 m³/mês           -60%

 

Como resultados secundários do projeto, podemos identificar:

  • Redução da formação de depósitos de resíduos na tubulação industrial;
  • Redução das manutenções e limpezas nos trocadores de calor;
  • Redução do consumo de energia;
  • Redução substancial com manutenções;
  • Aumento do tempo entre regenerações do sistema DI utilizado na pintura, e consequente economia com insumos químicos;
  • Economia no consumo de água potável, com a substituição por água reciclada no processo produtivo.

De encontro com a necessidade crescente da preservação de recursos naturais, desenvolvimento sustentável, economia e melhoria contínua dentro das indústrias, projetos de Reciclagem de Efluentes estão se tornando uma realidade cada vez mais comum e vantajosa, e o projeto proposto e realizado demonstrou na prática, ações que o setor industrial pode e deve realizar para assumir um compromisso com as futuras gerações e com o meio ambiente.

3 thoughts on “Reciclagem e Desmineralização de água na indústria de autopeças”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *